Tel: +351 279 342 847 >>> Email : geral@misericordiamogadouro.com

Adivinhas e Provérbios

Eu sou a mãe de muitos filhos

E todos comigo tenho

Para os ver fartos e cheios

Dou uma volta, vou e venho

Mas com o tempo presente

Tudo custa a sustentar

Quando os vejo fartos e cheios

Ponho-me então a cantar.

Solução: Nória

Cliente: D.Ana


 

 

Alto esta, alto mora

Todos o veem e ninguém

O adora?

Solução: Sino

Cliente: D.Ana


 

Corre cabeços e canadas

E só faz duas pegadas

Solução: Carro das bestas

Cliente: D.Ana


 

 

É alto como o sino

Verdega como o linho

É doce como o mel

Amargo como o fel?

Solução: Nogueira e a Noz

Cliente: D.Ana


 

O que é uma casinha branca

Sem porta nem tranca?

Solução: Ovo

Cliente: D.Ana


 

O filho do rabicu

Não tem rabo, nem bico, nem cu

E o neto do rabicu

Já tem rabo, bico e cu?

Solução: Pintainho

Cliente: Sr. Carolino


 

 

Quanto mais quente

Mais fresco.

O que é?

Solução: Pão

Cliente: D.Ana


 

 

Qual e coisa qual e ela

Que tem uma perna mais comprida que a outra

E noite e dia anda sem parar?

Solução: Relógio

Cliente: D.Ana


 

 

Qual é a coisa qual é ela

Que cai de pé

Corre deitada

Solução: Chuva

Cliente: D.Ana


 

O que tem quatro portinhas

E uma luzinha arder dentro

Solução: Lampião

Cliente: Sr. Carolino


 

 

Tenho um brinde com quem brindo

O seu brindar me aborrece

Quando mais o brinde brinda

Mais a barriga lhe cresce

Solução: Fuso da roca

Cliente: Sr. Carolino


 

Tenho pés e não ando

Tenho boca e não como

Tenho asas e não voo

Solução: Panela

Cliente: Sr. Mário


 

Qual e a coisa que foi feita

Para andar e não anda

Solução: Estrada

Cliente: Sr. Mário


 

Fui feita na Alemanha

Vendida em Portugal

Se eu me solto

Fico toda a vida perdida

Solução: Agulha

Cliente: Sr. Mário


 

 

Nasci em Portugal

Criei-me em Portugal

Vivo em Portugal

E não ando em Portugal

Solução: Pardal

Cliente: Sr. Carolino


 

Amei uma donzela

Por um buraquinho estreito

Ao entrar custou

Ao sair soube me bem

Solução: Cabaça do vinho

Cliente: Sr. Carolino


 

Em cima de ti me ponho

E toda me embanico

Tu ficas com os leites

E eu com os leites me fico

Solução: Figueira

Cliente: D.Ana


 

 

No monte nasce

No monte se cria

Vem para casa

Da mais tristeza que alegria

Solução: Madeira

Cliente: D.Ana


 

Qual é a coisa

Qual é ela

Que quanto mais alta esta

Melhor se lhe chega

Solução: Água do poço

Cliente: D.Ana


 

No monte nasce

No monte se cria

Vem para casa

E arrumasse a um canto

Solução: Vassoura

Cliente: D.Ana


 

 

No monte nasce

No monte se cria

Vem para casa

E despe a camisa

Solução: Coelho

Cliente: Sr. Carolino


 

Qual é a coisa

Qual é ela

Que quanto mais se lhe tira

Maior fica

Solução: Buraco

Cliente: Sr. Mário


 

Qual é a coisa

Qual é ela

Que prega mais

Que um prego

Solução: Dois pregos

Cliente: Sr. Mário


 

Dentro do meu peito

Está uma mais formosa do que eu

Eu vou com quem me leva

Eu fico com quem me deixou

Solução: Ouriço ou castanha

Cliente: Sr. Mário


 

Á meia-noite canta o freguês

Sabe da hora

E não sabe do mês

Solução: Galo

Cliente: Sr. Carolino


 

Tenho barba e não sou homem

Tenho dentes e não como

Tenho rabo e não sou animal

O que sou?

Solução: Alho

Cliente: Sr. Mário


 

A minha nascença era branquinha

Quando morri era negra

Sou do feitio de uma cabaça

Tenho dentes como uma turquês?

Solução: Formiga

Cliente: Sr. Mário


 

Uma meia, meia feita

Outra meia por fazer

Diga lá ó menina

Quantas meias vão a ser?

Solução: uma

Cliente: D. Ana


Pai morto

E filho vivo

E mãe por nascer

O que é?

Solução: O grão da espiga

Cliente: Sr. Mário


 

 

Verde foi o meu nascimento

De luto me vesti

Para dar a luz ao mundo

Mil tormentos padeci

Solução: Azeitona

Cliente: Sra. Bernardina


 

 

Uma senhora muito assenhoradinha

Quer chova, quer não chova

Ta sempre molhada

Solução: Língua

Cliente: Sr. Carolino


 

Qual é a coisa

Qual é ela

Que se sente

E não se vê?

Solução: Peido

Cliente: Sr. Porfírio


 

Quando se abre a porta á Berta?

Solução: Quando a Berta bate a porta

Cliente: Sr. Carolino


 

Adeus o pombal das 100 pombinhas.

100 Pombinhas não.

Mas nós e outas tantas como nós

e a quarta parte de nós e contigo gavião

100 Pombinhas serão

Solução: 44+44=88+11=99+1=100

Cliente: Sr. Porfírio


 

Branco é

Galinha o põe

Numas palhinhas

Solução: Ovo

Cliente: D. Amélia


 

Peludo por fora

Peludo por dentro

Alça-lhe a perna

Meto-lhe dentro

Solução: Meia

Cliente: Sra. Querobina


 

A comadre tá de costas

O compadre vai e vem

Quando o compadre chega

A comadre pronto tem

Solução: Pipa do vinho

Cliente: Sr. Porfírio


 

Provérbios

 

  • Para grandes males, grandes remédios
  • Vale mais tarde que nunca
  • Em casa de ferreiro, espeto de pau
  • Quando o sol nasce é para todos
  • Não há pior cego do que aquele que não quer ver
  • Olho por olho, dente por dente
  • Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer
  • Quem canta seu mal espanta    Cliente: Sr. Afonso
  • Em abril águas mil      Cliente: D. Ana
  • Fevereiro quente, trás o diabo no ventre   Cliente: Sr. Mário
Views All Time
Views All Time
1484
Views Today
Views Today
1

Posted by Misericórdia de Mogadouro

Misericórdia de Mogadouro

view all posts

A Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro foi fundada em 1559 através de Bula do Papa Pio IV quando ainda o distrito de Bragança pertencia à diocese de Braga. Iniciou a sua actividade eminentemente social, tendo como sede um primitivo hospital, já demolido muito próximo da actual Igreja da Misericórdia.


0 Comentários

Formulário de Comentários

ir para o topo